30 de março de 2020

FILME - TED BUND, A IRRESISTÍVEL FACE DO MAL

TED BUND, A IRRESISTÍVEL FACE DO MAL - NETFLIX


Liz, uma mãe solteira, se apaixona por Ted Bundy e, por anos, se recusa a acreditar que ele é culpado pelos sequestros e crimes hediondos contra as mulheres das quais ele é acusado.

COMENTÁRIOS SOBRE O FILME:


Os E.U.A possuem coleções de assassinatos em séries totalmente bizarros e inimagináveis e Ted Bund talvez seja o mais intrigante, pois o personagem central não tem atributos de um Serial Keller. Ted era um sujeito carismático, simpático, sorridente e de boa aparência. Com certeza tais predicados favoreceram e muito a aproximação de suas vítimas, que jamais imaginariam que ele fosse tão perigoso.

De início, o sujeito é apresentado como uma figura dócil, amorosa e paternal. Seus crimes surgem apenas como um pano de fundo, já que não são aprofundados, apesar de Ted ter sido condenado por muitos crimes, chegando a estimativa de aproximadamente 30 mulheres na década de 1970. O foco é a mente do personagem.

Quem vê cara não vê coração?


Não, definitivamente não vê mesmo...
Ou Ted era muito dissimulado ou ele realmente acreditava em suas mentiras!

A trama começa em 1969 quando Ted e Liz se conheceram. Ele era um cara bonito (como dito anteriormente) e atraente que seduziu Liz ao primeiro encontro. Ela era uma jovem mãe solteira que achava que por assim ser, jamais encontraria um homem que a quisesse de verdade. O relacionamento sofreu os primeiros abalos quando Ted passou a ser investigado por seus crimes, tendo todas as suas perversões reveladas. Mesmo assim Liz demostra durante grande parte, senão toda parte, do filme não acreditar que seu noivo fosse tão perverso.

Há quem diga que o filme é bem diferente do livro - "Um estranho ao meu lado" - (o que para nós não é nenhum espanto, pois estamos habituados a essa decepção). Segundo relatos, no livro Liz conta que Ted já havia tentado matá-la enquanto que no filme a imagem que ela passa dele é de um sujeito acima de qualquer suspeita. 

Ted foi julgado e sentenciado à pena de morte. Continuou negando seus crimes ao longo dos anos, porém, em 1989, às vésperas de sua execução acabou confessando.

Não se espante ao perceber que haviam mulheres que se apaixonaram por ele, tampouco por ver que elas acompanharam o julgamento tão somente por sua beleza. Ele chegou a se casar e ter uma filha - com outra mulher. O que diria a psicologia sobre isso?

Bem, de um modo geral eu gostei do filme. Valeu a pena pela história em si, e principalmente por saber que ele teve o final que mereceu.


Boa diversão a todos.

29 de março de 2020

FILME - A CASA - NETFLIX

a
A CASA - NETFLIX

Um publicitário desempregado começa a perseguir os novos moradores da sua antiga casa com intenções cada vez mais sinistras.

COMENTÁRIOS SOBRE O FILME:

Qual é o limite do desespero?

Em um dia você tem tudo... um emprego perfeito, uma casa incrível, um carro sensacional...

No outro dia você não tem mais emprego, seu dinheiro está acabando, a casa que você mora é muito cara e você precisa se mudar. Seu carro, seu amado carro precisa ser vendido.

Quantas vezes precisamos dar alguns passos para trás para ganhar impulso e recuperar tudo? Muitas, não é mesmo?

Porém, e quando a pessoa não aceita isso?

Vale tudo para ter de volta a vida de antes?

Javier é um publicitário conceituado, porém está há alguns meses desempregado. Em busca de um novo emprego se sente muitas vezes humilhado com as recusas.Vendo que a situação está insustentável, Marga (a esposa) convence o marido a se mudarem para o apartamento de propriedade da família que fica em uma área mais humilde tendo que abandonar o apartamento luxuoso e confortável em que viviam. Inclusive Marga acaba tendo que arrumar um emprego, cuidar da casa e levar uma vida mais humilde, o que para Javier não passa de uma humilhação.

Inconformado, Javier passa a vigiar a frente do prédio onde vivia e descobre que os novos moradores de seu antigo apartamento é um jovem casal e uma linda criança. Sabe aquelas famílias de comercial de margarina? Então...

Como ainda tem as chaves e os controles, ele invade a casa enquanto o casal está fora e passa a conhecer a rotina, os costumes e tudo mais que envolve aquele casal, até que ele consegue se aproximar de Tomás (interpretado por Mario Casas, que não precisa nem abrir a boca para ser perfeito). 

Tomás é jovem, bonito e vice-diretor em uma das mais conceituadas empresas de transporte de Barcelona, porém, ele tem um vício e Javier vai atacar exatamente em cima disso. Quando ele começa agir você fica se perguntando "o que será que ele quer afinal", até que nos desfechos finais ele dá sua grande cartada.

O filme que começou despretensiosamente, desenrolou um suspense interessante e terminou com uma excelente amarração. 

Assista, vale realmente a pena.

Bom divertimento e até a próxima.

SÉRIE - TOY BOY - NETFLIX - 1ª TEMPORADA

TOY BOY - PRIMEIRA TEMPORADA - NETFLIX


Após anos de prisão, um stripper ganha liberdade condicional e tenta provar, antes do novo julgamento, que sua amante armou para incriminá-lo pelo assassinato do marido.


COMENTÁRIOS SOBRE A SÉRIE:

Toy Boy foi liberada recentemente na plataforma NETFLIX e sua primeira temporada conta com 13 capítulos de aproximadamente 1 hora cada.


Estava entediada procurando por algo que prendesse minha atenção e o que me chamou atenção foi a chamada de um crime onde o acusado luta para provar sua inocência. Pronto. Foi suficiente e valeu a pena a dedicação dessa maratona.

Toy Boy é uma produção espanhola e sua história é realmente bem clichê, uma vez que o Stripper Hugo tem sua juventude trancafiada após ser acusado de matar o marido (Filipe) de sua amante Macanena. Uma mulher poderosa e mais velha que ele. Tudo acontece na noite em que Hugo acompanha Macarena em uma festa com muito sexo grupal, drogas e bebidas. Quando ele acorda em seu barco, algo está pegando fogo - um corpo - então, ele é acusado do assassinato e preso.

Sete anos depois surge a advogada Triana, que irá cuidar de seu caso. A primeira medida é sua liberdade condicional e é aí que começa a luta em busca de provas e pessoas que possam provar sua inocência. Claro que para durar 13 capítulos o telespectador vai sofrer de ansiedade e curiosidade, pois um capítulo sempre termina na melhor parte.

Há muito jogo de interesse, muito dinheiro, muita reputação a zelar, muito conchavo, muita traição e descobertas de segredos de pessoas que estavam guardados há muito tempo. Há inclusive novas mortes, todas muito suspeitas.

O público masculino certamente não aprovará as cenas em que os rapazes, amigos de Hugo, fazem stripe para a mulherada na danceteria "Inferno", mas a mulherada pode babar um pouco naqueles corpos cheios de músculos definidos.

Para prender o público por 13 capítulos, teremos tramas inseridas na história envolvendo outros personagens, mas fato é que todos tem de forma direta ou indireta, relação com o crime principal. Tramas que não serão totalmente desenroladas, certamente porque ainda haverá mais pela frente e só Deus sabe quando virão. 

Um dos pontos da história é a relação que Andrea (filho de Macarena) desenvolve com Jairo (um stripper amigo de Hugo), que se comunica através de libras. Andrea é um jovem esquisito, atormentado pelo abuso sexual que sofreu na infância. Abuso esse que Macarena nunca havia se dado conta até que Hugo esfrega na cara dela o que aconteceu.

Há quem vá avaliar a série pela produção, interpretação, etc, etc, etc, mas eu estou me atendo apenas ao entretenimento. Deixemos as críticas para quem conhece, aqui vamos apenas nos apoiar na distração.

Espero que gostem da dica. Se alguém já assistiu e quiser comentar, vou ficar feliz de saber.

Até a próxima.

21 de março de 2020

FILME - SEQUESTRANDO STELLA

SEQUESTRANDO STELLA

Stella (Jella Haase) é uma jovem que foi sequestrada enquanto caminhava pela rua. Mantida em cárcere e amordaçada, ela se mostra tão esperta quando seus raptores ao usar seus poderes limitados para atrapalhar os planos cuidadosamente elaborados dos dois sequestradores mascarados.

NOTA SOBRE O FILME: 

Na minha opinião o filme tinha tudo para dar certo, ou melhor dizendo, tinha tudo para ser o tipo de filme que eu adoraria, pois envolve suspense e inteligência, porém, não gostei do final. Eu imaginei outra coisa e me decepcionei, então, leva 3 estrelas. De toda forma, ainda recomendo que você assista e tire suas próprias conclusões.

Disponível aos assinantes Netflix

3 de março de 2020

EMILY MIOLA... UMA NOVA LEITORA DO MUNDO DOS LIVROS

Apresento a vocês, minha sobrinha Emily Miola.
Ela tem só 04 aninhos e vem apresentando muito interesse pela leitura.
Claro que a tia mais babona do mundo não deixaria de incentivar a paixão dela pelos livros.

Fiz a assinatura da #Leiturinha para ela e todos os meses aguardamos a chegada do Tio Carteiro.

Claro que ela ainda não sabe ler, então, nós adultos lemos para ela as historinhas. Quando ela começou a pedir para ter um canal, ela também pediu para mostrar os livrinhos dela.

Espero que vocês gostem do vídeo.
Curtam e se inscrevam, logo mais virão mais vídeos


8 de outubro de 2019

LIVRO - DUOLOGIA - ROSA ESCARLATE - LIVRO 01 - HALICE FRS

Henry Farrow, oficial da infantaria, herdou título e fortuna do avô materno tornando-se o quinto conde de Alweather. Libertino experiente, sem vínculos afetivos com a abastada família, de “sangue sujo” graças à veia paterna e pouco familiarizado a protocolos, era considerado um nobre impróprio, resistente às regras.
Ao apaixonar-se Henry tentou se adequar à sua nova realidade mesmo que continuasse a integrar o Exército, no entanto, perder sua amada Gisela durante um parto mal-sucedido quando sequer estava perto fez com que se afastasse ainda mais da corte. Inconsolável, o nobre militar se uniu às Forças Inglesas que atuavam na África, defendendo territórios e coibindo o tráfico humano.

Catarina Bradley, filha caçula do barão Westling conhecido pela sidra que produzia, cresceu cercada de mimos e adulações. Convicta da própria beleza, interesseira e arrogante, almejava debutar na corte e fazer um casamento vantajoso com algum jovem e belo herdeiro. Se sua irmã inelegível se tornara duquesa, ela não aceitaria menos que isso. Contudo, seus planos caíram por terra ao ser socorrida pelo sério viúvo, vinte anos mais velho, num baile de máscaras.

A jovem não sabia que também impressionou o militar, porém a iniquidade de seu pai não permitiu que um compromisso fosse firmado antes que se afastassem. E a distância que fazia crescer o mútuo interesse, trazia novos obstáculos para o casal pouco convencional.
Seria possível que as inadequações que um representava para o outro poderiam ser esquecidas para que vivessem juntos e fossem felizes?



SOBRE O LIVRO:

Rosa Escarlate é o quinto volume da série Apple White, sendo o primeiro da duologia e, embora não fosse o mais esperado por mim, me surpreendeu positivamente em sua totalidade. Ele não era o mais esperado por mim, porque a Catarina que conheci nos livros anteriores me deixou reticente. Talvez por sua soberba e arrogância, por ser achar sempre melhor que todos, inclusive para com a irmã Marguerite. Ela era a filha predileta do Barão (pai), mas descobriu de um modo muito delicado que aquela predileção iria além de sentimentos fraternos. Catarina teve inclusive indícios do que o pai poderia ter feito com Cora Hupert, que era amiga de Marguerite na infância, e também, a descoberta sobre como se deu o casamento de seus pais. Sinceramente aquele homem era repugnante. 

Ela foi evoluindo com o desenrolar da história e tenho certeza que o fato de não ter alcançado seu objetivo tão facilmente tenha sido muito útil para seu amadurecimento. A ansiedade de que logo ficassem juntos, por vezes me fez achar o desenrolar lento demais. Ela era deslumbrada e sonhava com sua estreia na temporada que se aproximava, pois imaginava que conheceria o homem idealizado com quem se casaria, mas claro, que nenhum daqueles rapazes preenchia seus requisitos, completava as lacunas, tanto que ela "cozinhou" Benedict, um dos pretendentes, por alguns anos. Nesse ponto eu entendo Catarina. Ela havia se apaixonado por Henry, mas nenhum daqueles rapazes se equiparava a ele em nada. Não que ele fosse considerado belo, mas ele tinha o seu charme. 

A diferença de idade entre Henry Farrow e Catarina Bradley era gritante (20 anos). Um homem maduro, vivido e muito experiente, tanto com a vida quanto com relacionamentos enquanto ela só conhecia o que havia flagrado entre Beni e Leonor e seus sonhos de jovem deslumbrada. 

Confesso que pouco me lembro de Leonor durante o primeiro volume da série e me surpreendeu sua atitude chantagista. 

Quando a esposa de Henry faleceu, durante o parto, há aproximadamente 15 anos, foi um choque, até porque ele não estava por perto. Ele nunca mais havia pensado em se casar novamente, tanto que tomou para si a missão de combater o tráfico e a escravidão na África, onde passava muito tempo, retornando à Londres somente quando necessário. Ele também ignorava a pressão da avó materna, que o detestava e o acusava de ter matado sua neta preferida, Gisela, além de forçar para que ele se casasse com Evangeline, sua outra prima (que também havia ficado viúva). A relação entre avó e neto era muito difícil e a mãe de Henry, Honora, estava sempre entre os dois, amenizando o clima. Henry era o único na herdade do título. Após ele, somente Benedict, seu primo e irmão e Evangeline, poderia herdar o título, caso Henry não tivesse um filho para sucedê-lo.

Quando nem ele mesmo imaginava que outra mulher pudesse tocar seu coração, surgiu Catarina, para infernizar seus dias e noites. Quando resolveu pedir a mão da jovem ao Barão pai, ele teve todo cuidado com o fato dela ser muito jovem, porém, foi mal interpretado e partiu, dando o caso como encerrado em sua vida. Os anos foram se passando, mas o destino sempre dava um jeito de cruzar o caminho dos dois, até que tudo aconteceu. Então, nesse instante sim o livro me prendeu e eu devorei a história.

Durante a leitura vão acontecendo coisas que tanto podem ser apenas um fato ou uma passagem, como também pode ser um sinal ou uma ponta, para algo que vai acontecer adiante. Já aconteceu comigo de não dar importância em algum detalhe e adiante ele fazer todo sentido, então, pelo sim ou pelo não prefiro ficar em alerta. 

Não sei se isso pode ser um spoiler ou apenas uma divagação desta leitora, mas fiquei com a sensação de que poderia vir mais histórias por aí, quem sabe, com Lowell Bolbec, o irmão do duque que Bridgeford. Ele tem um perfil excelente para uma boa história, por ser irreverente e despachado. 

Adorei o jeito selvagem do Conde e suas expressões, suas palavras depravadas, mas ele chamar Catarina de “Praga” e “Demitida do Inferno” é sensacional. 

" - Você é a demitida do inferno que desde o primeiro instante não deu trégua para minha cabeça! É uma praga cuja ausência inutilizava meus dias e eternizada minhas noites."

Catarina ainda terá muito que aprender de agora em diante, principalmente a dominar o ciúmes da falecida. Logo ela que nunca gostou ou permitiu ser comparada com ninguém, se pega comparando-se com Gisela e mais, disputando um espaço no coração do conde que ela nem ao menos imagina como já ocupa. Fato é que mulheres são diferentes dos homens. Henry mostrava com seus gestos e com seu desejo tudo que sentia por Catarina e o quanto ela o afetava, mas ela queria ouvir, ela queria palavras, como toda mulher quer e para ele, falar ainda era algo que ele precisava trabalhar em seu íntimo. 

Se você já leu os dois primeiros volumes da série (Borboleta Negra 1 e 2), saberá que contar que Henry e Catarina se casaram não é spoiler, entretanto, como a história deles foi construída é que é a cereja do bolo.

Estou muito ansiosa pela continuação e espero que não demore muito, pois é tanta coisa, tantos detalhes que não quero esquecer nada para seguir adiante.

Durante a leitura encontrei alguns erros de digitação que não alteram o sentido nem dificultam a leitura, e, por ser um livro digital, após a correção, o arquivo atualiza e eles somem...

ATENÇÃO: Este livro está a venda apenas em e-book pela Amazon. Clique aqui para comprar o seu.

10 de setembro de 2019

LIVRO: LÁGRIMAS DE AMOR E CAFÉ - BABI A. SETTE


Fragilizada pela morte da mãe e a miséria na Itália, Angelina aceita a proposta de um estrangeiro rico que oferece não só casamento, mas também conforto para seu pai e sua irmã caçula.

Decidida a ajudar a família, ela embarca para um país distante tendo como companhia somente a escrita e os romances que ama, já que durante a viagem o marido se revela muito diferente do príncipe que sonhou um dia conhecer. Vincenzo também tem o Brasil como destino e, por uma traição, vê seus sonhos roubados logo que desembarca no novo país. E é na fazenda de um barão do café, onde Angelina é senhora e também vítima do marido cruel, que Vincenzo acaba achando trabalho.

Em meio a encontros e conversas nasce entre ambos uma amizade verdadeira e uma paixão secreta que pode colocar em risco não apenas a vida deles, mas também a segurança de outras pessoas. Vincenzo e Angelina teriam coragem o bastante para esquecer as proibições, passar por cima dos perigos e viver esse grande amor?


SOBRE O LIVRO:

Comecei a ler a história e fui devorando, até chegar ao dia do baile. Daí pra frente a coisa enroscou e foi daí pra frente a nota 5 virou 3. Peguei uma implicância terrível pela empregada da fazenda e fiquei decepcionada pelo final do barão. Eu esperava saber mais sobre ele, sobre o que ele fazia nas longas viagens e entender porque ele era tão cruel. A sensação que tive é que ele não passava de uma marionete na mão da empregada, pois foi essa a impressão que ela passou nas suas últimas aparições.

De todos os livros que li da autora, esse foi o que menos me impressionou. Nos outros realmente confesso que ao final deles eu encarei uma verdadeira ressaca e que fiquei com gosto de quero mais, mas achei que nesse livro faltou alguma coisa. Mesmo os personagens principais não me fizeram apaixonar por eles como me apaixonei por outros personagens dela.

A escrita da Babi A. Sette continua impecável, sem erros, objetivo e clean, o que faz com que a leitura flua melhor, mas estranhei bastante a história comparando com as outras lidas. Já vi outras pessoas comentando muito bem sobre o livro e talvez essa seja apenas minha impressão.

A capa ficou linda, a diagramação perfeita. No início dos capítulos há uma homenagem onde aparecem sobrenomes de origem italiana, mas são apenas mimos, pois não interferem nada na história.

Quando comprei o livro, ele veio muito bem embalado e com um cartão postal e um marcador de página e eu acredito que este seja um detalhe da autora e da editora, já que na maioria das vezes os livros da Saraiva não são entregues desta forma.

Boa leitura!

21 de agosto de 2019

SÉRIE - OS HATHAWAYS - DESEJO À MEIA - NOITE - LIVRO 01

Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar. Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos. Uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan. Meio cigano, meio irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem, mas parece que o destino já traçou outros planos.

Quando se muda com a família para a propriedade recém-herdada em Hampshire, Amelia acredita que esse pode ser o início de uma vida melhor para os Hathaways, mas não faz ideia de quantas dificuldades estão a sua espera. E a maior delas é o reencontro com o sedutor Rohan, que parece determinado a ajudá-la a resolver seus problemas. Agora a independente Amelia se verá dividida entre o orgulho e seus sentimentos.

Será que Rohan, um cigano que preza sua liberdade acima de tudo, estará disposto a abrir mão de suas raízes e se curvar à maior instituição de todos os tempos: o casamento?


SOBRE O LIVRO:

As primeiras páginas foram meio cansativas, mas depois começou a fluir um pouco mais. Rohan trabalhava no cassino que St. Vincent herdou lá na história "Pecados no Inverno", da série "As quatro estações do amor" da mesma autora e em uma noite em que Amelia e Marripen procuravam por Leo, o destino tratou de traçar o caminho de ambos. Ainda não sei dizer se gosto ou não de duas séries se cruzam, então, vamos ao que interessa e depois descobriremos.

Os Hathaways compunham cinco irmãos: Leo, Amelia, Win (que não tinha uma boa saúde), Bea e Poppy. De todos ela parecia ser a mais centrada e claro, a que cuidava de tudo e de todos. Praticamente se anulava em função dos irmãos e carregava consigo a experiência de ter sido abandonada pelo pretendente. Ele a trocou por um casamento com filha do patrão. Só por essa atitude já se imagina de que tipo de homem ela se livrou, porém, para sua surpresa, o ex apareceu nada triunfante, já que a moça que ele estava interessado em aplicar o golpe do baú tinha outros planos e outro amor. Amelia contava com a dedicação de Marripen, um cigano que há anos convivia com eles e que era considerado membro da família Hathaway.

Cam Rohan era o que eles chamam de Rom, assim como Marripen ou um tipo de mestiço e quando sua vida estava perdendo a graça, ele conheceu Amelia Hathaway. Enquanto Cam não dava importância ao dinheiro que acumulava, Amelia e sua família estavam passando por maus bocados.

Logo no início quando "conheci" Leo, achei que ele fosse uma bela perda de tempo, mas depois fui entendendo o buraco que sua vida havia se transforado. A mulher que ele amava morreu e ele acabou herdando um título amaldiçoado. Leo carregava uma dor imensa pela perda da noiva e ele não tinha mais ganas de viver. Em uma noite ele acabou colocando novamente a família em risco e arruinando o pouco que tinham. A história também tem um "Q" de espiritualidade que explicam alguns acontecimentos. Graças a Westcliff eles conseguiram abrigo e lá finalmente Cam e Amelia tiveram a primeira noite de amor juntos, porém, Merripen acabou ficando entre a vida e a morte. Uma marca no corpo de Marripen mexeu com Cam.

Bem, é claro que os livros fazem sucesso por seus amores arrebatadores, pelas relações intensas, mas a receita tem sido basicamente a mesma. Um casal improvável, um amor avassalador, sexo incrível e pedras pelo caminho, então, acaba parecendo repetitivo.

Em uma escala de 0 a 5 a minha nota é 4, considerando que apesar do fardo que Amelia carregava com as responsabilidades de sua família, que ela não ficava se fazendo de coitada, injustiçada e desafortunada. Cuidou da família, se entregou ao desejo mesmo sabendo que estaria "arruinando" sua reputação e encarou a relação com Cam sem se deixou abalar pelo reaparecimento de seu ex. Gostei da forma como terminou o livro e os fatos que envolveram a história dos demais personagens me fizeram desejar ler os próximos livros sim! 

21 de julho de 2019

SÉRIE - AS 4 ESTAÇÕES DO AMOR - UMA NOITE INESQUECÍVEL - LIVRO 4,5 - LISA KLEYPAS


O Natal está se aproximando e Rafe Bowman acaba de chegar a Londres para uma união arranjada com Natalie Blandford. Com sua beleza estonteante e o físico imponente, ele tem certeza de que a linda aristocrata logo cairá a seus pés. No entanto, seus terríveis modos americanos e sua péssima reputação de farrista deixam Hannah, a prima da moça, chocada. Determinada a proteger Natalie, ela vai tornar a tarefa de cortejar a jovem muito mais difícil do que Rafe esperava. Hannah, porém, logo começa a se importar mais do que gostaria com o rude pretendente da prima. Rafe, por sua vez, passa a apreciar um pouco demais a companhia de Hannah, uma mulher forte e pragmática com um coração doce e gentil. E quando Daisy, Lillian, Annabelle e Evie, quatro amigas inseparáveis que já conseguiram encontrar o homem de seus sonhos, decidem agir como cupidos, quem sabe o que pode acontecer? Uma noite inesquecível é uma viagem mágica pela Londres vitoriana, com os diálogos espirituosos e personagens memoráveis que consagraram Lisa Kleypas como uma das autoras de romances de época mais aclamadas pelo público. Nesta continuação da série As Quatro Estações do Amor, os mais cínicos se tornam românticos e até os mais tímidos suspiram, arrebatados de paixão.


SOBRE O LIVRO:

Uma noite inesquecível pode ser chamada de livro 4.5 desta quadrilogia que arrancou suspiro de muitos leitores. Uma história rápida e que todos sabem como vai acabar. O solteiro cobiçado e nem tão interessado em se casar que se apaixona pela pessoa menos provável. Mostra um pouco da animosidade entre pai e filho (O Sr. Bowman e Rafe, seu filho mais velho), mostra a interação entre as quatro amigas e seus respectivos maridos, além de mostrar que Hanna precisa ser integrada ao quarteto. 

Tudo se passa nas vésperas do Natal quando a intenção era unir Natalie e Rafe em um casamento arranjado, mas que tem a cena totalmente roubada pela originalidade de Hanna.

Encontrei alguns pequenos erros de digitação no livro, mas nada que atrapalhe a leitura (apesar de incomodar rs) e no modo geral dei nota cinco.

Boa leitura a todos!

17 de julho de 2019

SÉRIE - AS 4 ESTAÇÕES DO AMOR - PECADOS NO INVERNO - #03 - LISA KLEYPAS


Agora é a vez de Evangeline Jenner, a Wallflower mais tímida que também será a mais rica quando receber sua herança. Mas primeiro ela tem que escapar das garras de seus ambiciosos parentes, Evie recorre a Sebastian, visconde de St Vincent, um conhecido mulherengo, com uma proposta incrível: que se case com ela!

A fama de Sebastian é tão perigosa que trinta segundos a sós com ele arruínam o bom nome de qualquer donzela. Mesmo assim, esta cativante jovenzinha se apresenta em sua casa, sem acompanhante, para lhe oferecer sua mão.

Mas a proposta impõe uma condição: depois da noite da lua-de-mel, o casal não voltará a ter relações íntimas. Evie não deseja torna-se apenas mais uma que Sebastian descarta sem piedade, o que significa que Sebastian simplesmente tem que trabalhar mais duro na sua sedução... ou, talvez entregar seu coração pela primeira vez em nome do verdadeiro amor.

NOTA SOBRE O LIVRO: 

Para meu total desespero, ao final do segundo livro da série, me deparo com Evangeline (Evie) na casa de St. Vincent para tratar de interesses pessoais - para ambos. Nunca imaginei que ela teria tamanha coragem, mas a minha surpresa maior foi porque St Vincent não era a pessoa que eu imaginava que formaria par com ela. Ele se deixou levar pela influência da condessa viúva e pela oportunidade de se casar com uma moça rica e salvar sua pele.

Evangeline Jenner (23 anos), a terceira Folha Seca da série também era conhecida pelos chás de cadeira durante os bailes a cada temporada. Nenhum pretendente a marido e nenhuma perspectiva de vida além dos maus tratos recebidos pela família de sua falecida mãe. A mãe de Evie se envolveu com um homem reprovado por sua família, mas que formou grande fortuna. Tudo o que os parentes da garota desejavam era colocar as mãos na fortuna que ela poderia herdar a qualquer momento, já que seu pai estava com a saúde bastante comprometida.

Sebastian (32 anos) estava a beira da pobreza, pois seu pai, o duque não era um homem que saiba administrar bem o dinheiro e como sabemos desde o segundo livro, sua mesada estava por um fio. Logo nos primeiros capítulos deste terceiro livro, toda aquela impressão de que ele não prestava vai se esvaindo e mais uma vez a autora mostra que quem vê cara não vê coração. Ele era só um homem desprovido de apegos sentimentais, que pouco se importava com a fama de libertino e devasso, que sempre se envolveu com inúmeras mulheres e nunca se apaixonou por nenhuma. Para ele tudo se resumia a sexo e mais nada.

Evangeline estava ameaçada a se casar com seu primo Eustace (um gordo seboso dominado pelos pais e pela gula) justamente para que seus tios pudessem continuar dominando sua vida. Ela sempre foi mal tratada e proibida de ver o pai, mas agora, sua única alternativa era se casar com Sebastian para finalmente poder se ver livre da família. Juntos eles fugiram pra Gretna Green, na Escócia, para formalizar e oficializar o casamento. O acordo era que dormiriam juntos apenas uma noite para consumar o casamento e depois disso, nunca mais, porém, o que Sebastian não contava era que o sexo com Evie seria espetacular... para sua desgraça total... kkkkkkkkkkkk

Ivo Jenner era o proprietário de um clube de fama não muito respeitosa e por esse motivo ele mantinha Evie afastada. Ao retornar para Londres com o marido, Evie seguiu diretamente para o clube a fim de cuidar de seu pai em seus últimos dias de vida. Pouco tempo após a chegada de Evie, finalmente Ivo faleceu, porém, esse é um dos menores males, afinal, seu tio Pelegrine estava a sua procura e ela nem ao menos sabia quem era seu real inimigo e quais motivos ele teria de verdade. A cereja do bolo é Sebastian desejando loucamente Evie e ela, por sua vez, sem se render aos seus desejos, afinal, ela não quer ser apenas mais uma mulher na coleção de transas de Sebastian.

Tudo gira em torno dessa relação e da proteção que Sebastian estava disposto a oferecer a sua esposa. No meu ver, o ponto chave de todas as histórias de Lisa Leypas é ligado ao fato de que até mesmo nós, leitores, estamos submetidos a julgar seus personagens pelo que interpretamos deles...

Leitura concluída e 4 estrelas... e dei só quatro porque eu imaginei que o risco da relação de Evie e Sebastian seria outra coisa... mas gostei!

SÉRIE - AS 4 ESTAÇÕES DO AMOR - ESCANDALOS NA PRIMAVERA - LIVRO 04 - LISA KLEYPAS

Daisy Bowman sempre preferiu um bom livro a qualquer baile. Talvez por isso já esteja na terceira temporada de eventos sociais em Londres sem encontrar um marido. Cansado da solteirice da filha, Thomas Bowman lhe dá um ultimato: se não conseguir arranjar logo um pretendente adequado, ela será forçada a se casar com Matthew Swift, seu braço direito na empresa. 

Daisy está horrorizada com a possibilidade de viver para sempre com alguém tão sério e controlador, tão parecido com seu pai. Mas não admitirá a derrota. Com a ajuda de suas amigas, está decidida a se casar com qualquer um, menos o Sr. Swift. 

Ela só não contava com o charme inesperado de Matthew nem com a ardente atração que nasce entre os dois. Será que o homem ganancioso de quem se lembrava era apenas fachada e ele na verdade é tão romântico quanto os heróis dos livros que ela lê? Ou, como sua irmã Lillian suspeita, o Sr. Swift é apenas um interesseiro com algum segredo escandaloso muito bem guardado? 

Fechando com chave de ouro a série As Quatro Estações do Amor, Escândalos Na Primavera é um presente para os leitores de Lisa Kleypas, que podem ter certeza de uma coisa: embora as estações do ano sempre terminem, a amizade desse quarteto de amigas é eterna.


NOTA SOBRE O LIVRO

Escândalos na Primavera é o quarto e último livro desta série.

Finalmente chegou a vez de Daisy Bowman encontrar sua cara metade, mas claro que teria que haver algumas desavenças antes de se dar conta do amor. Daisy ficou muito irritada com a intimação que recebeu de seu pai quanto a casar-se. Com relação ao pretendente, primeiro veio a grande ira e depois a enorme atração por Matthew Swift. Óbvio que ela não soube reconhecer o sentimento de imediato, assim como não soube reconhecer o quanto o deixava afetado. A raiva e a ansiedade não são boas companheiras, mas a baixa auto-estima também não colaborava em nada. Ela estava tão acostumada a ser "ignorada" pelos homens, que não soube reconhecer que ao invés de desprezá-la ou rejeitá-la, Matthew a queria demasiadamente.

O segredo de Mathew não é nada magnânimo, mas achei interessante e até diferente do que normalmente estamos acostumado a ter como "empecilhos" para a saúde dos relacionamentos. Daisy também foi bem mais ousada do que sua irmã e amiga até, mais avançada arriscando sua reputação embora não faça o tipo "revolucionária" ou "a frente se seu tempo", pois ela no fundo era uma romântica.

As quatro estações do amor entra para a lista de romances de época que gostei bastante de ler e para quem gosta do gênero, a leitura flui de forma bem suave e agradável!

SÉRIE - AS 4 ESTAÇÕES DO AMOR - ERA UMA VEZ NO OUTONO - #02 - LISA KLEYPAS


A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa.

Marcus é o típico britânico reservado e controlado, mas algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar. 

Então, numa tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada? 




NOTA SOBRE O LIVRO: 

A família Bowman saiu dos Estados Unidos da América, onde fizeram grande fortuna, em direção a Londres, em busca de um marido para as filhas Lilian (a mais velha) e Dayse (a mais nova) que fosse da aristocracia inglesa. Claro que nos livros que lemos normalmente os aristocratas são homens belos, bem sucedidos, de excelente linhagem e educação, são honestos e tudo mais... Não que não tenhamos homens assim, mas é que nessa quadrilogia, a realidade (vamos dizer assim) é um pouco diferente. 

Os ingleses não viam os americanos com bons olhos, pois suas riquezas haviam sido adquiridas através de trabalho e não, por heranças de títulos nobres como os deles. Era como se enriquecer a base de trabalho fosse horrendo ou desonesto (risos irônicos). Sendo assim, o intuito das irmãs era um amadrinhamento até que conseguissem um casamento.

Lilian Bowman não era uma garota dócil e recatada. Ela era impulsiva e não aceitava ser desafiada ou controlada por ninguém. Pudemos observar no primeiro livro que o pouco contato que Lilian teve com o conde de Westcliff foi cheio de farpas e afrontas. Aqui, a relação dos dois não foi nada amena.

Marcus era um homem firme, mas de um bom coração (daqueles que não deixava transparecer e que você - e quem o conhecesse bem - só observava a medida em que o conhecesse melhor). Lilian tinha um dom bem apurado em reconhecer o cheiro das coisas, (haja visto que seu pai tinha uma fábrica de sabonetes) e ela ficou encantada ao descobrir um perfume encantado. Ela só não esperava que o tal perfume fosse atrair justamente o conde e deixá-lo completamente louco por ela.

Quem acabou amadrinhando (contra gosto, claro) as irmãs foi a condessa viúva, a mãe do conde e a velha era um poço de arrogância. Ela simplesmente abominava os americanos. Para ela, eles valiam menos que nada, porém, para seu castigo, suas duas filhas casaram-se com americanos. Sua esperança era Marcus, o conde, se casasse com uma moça de excelente linhagem inglesa, desse continuidade ao sangue azul e ao nome da família Marsden. 

Neste segundo livro também vamos conhecer o libertino incorrigível e quase pobre, St. Vincent, cujo pai, um duque, estava a beira da falência e ele com os dias de mesada contados. Ele era famoso por seus casos extra-conjugais ocultos e alguns escandalosos. 

Todos estão reunidos em Hampshire, na mansão do conde de Westcliff e a convivência foi necessária. Obviamente que Marcus e Lilian acabaram se envolvendo, mas Lilian se viu entre St. Vincent (sua opção de fazer um casamento com um aristocrata) e Westcliff (o homem por quem ela realmente estava apaixonada), no entanto, ainda houve uma armação que envolveu Lilian e Marcus.

A autora mostrou através de Lilian que as tradições londrinas eram repletas de falsidade e de hipocrisia, pois muitos ingleses possuíam títulos, tradições, linhagens, mas não possuíam dinheiro. Se escondiam atrás das máscaras enquanto que os americanos esbanjavam dinheiro e eram tidos como "sem educação". Lilian não se importava em nada com os ensinamentos da condessa e as duas se alfinetavam vez ou outra mostrando a hostilidade entre o que cada uma julgava certo ou errado. No entanto, não pense que essa condessa era flor que se cheirasse porque a velha era o cão em forma de gente.

Essa força de personalidade e determinação de Lilian sempre atraíram Marcus. Por mais que ele não falasse sobre seus sentimentos ou pouco demonstrasse, era somente Lilian a detentora do poder sobre sua felicidade pessoal. Ele sabia que qualquer outra mulher não daria conta dele.

Outra lição que a autora passou é que quem vê cara não vê coração mesmo. As quatro moças, denominadas "Folhas Secas" são prova do quanto essa frase é verdadeira, assim, como outros personagens, que deixam bem claro essa afirmação.

Fiquei realmente de queixo caído com o final desse livro onde a deixa para o próximo foi sensacional. Estou muito curiosa para saber o que vai acontecer...

SÉRIE - AS 4 ESTAÇÕES DO AMOR - SEGREDOS DE UMA NOITE DE VERÃO - #01 - LISA KLEYPAS

Apesar de sua beleza e de seus modos encantadores, Annabelle Peyton nunca foi tirada para dançar nos eventos da sociedade londrina. Como qualquer moça de sua idade, ela mantém as esperanças de encontrar alguém, mas, sem um dote para oferecer e vendo a família em situação difícil, amor é um luxo ao qual não pode se dar. Certa noite, em um dos bailes da temporada, conhece outras três moças também cansadas de ver o tempo passar sem ninguém para dividir sua vida. 


Juntas, as quatro dão início a um plano: usar todo o seu charme e sua astúcia feminina para encontrar um marido para cada, começando por Annabelle. No entanto, o admirador mais intrigante e persistente de Annabelle, o rico e poderoso Simon Hunt, não parece ter interesse em levá-la ao altar – apenas a prazeres irresistíveis em seu quarto. A jovem está decidida a rejeitar essa proposta, só que é cada vez mais difícil resistir à sedução do rapaz. As amigas se esforçam para encontrar um pretendente mais apropriado para ela, mas a tarefa se complica depois que, numa noite de verão, Annabelle se entrega aos beijos tentadores de Simon... e descobre que o amor é um jogo perigoso.


NOTA SOBRE O LIVRO:

A série, ou quadrilogia (como queiram) da escritora Lisa Kleypas é composta por quatro livros conforme cronograma abaixo. Gostei muito da nomenclatura “As quatro estações do amor” onde ela segue a linha das estações do ano exatamente na ordem em que elas ocorrem para cada uma de suas histórias. Para deleite de quem não sofreu aguardando as publicações e ainda não leu nada dela, agora a leitura pode ser sequencial e sem sofrimento porque os quatro livros já estão devidamente lançados e publicados no Brasil. São narrados em terceira pessoa – da forma como eu amo! 

1) Segredos de uma noite de verão 
2) Era uma vez no outono 
3) Pecados no inverno 
4) Escândalo na primavera 

A autora traz um cenário um pouco diferente, já que os personagens principais não são tão nobres assim. A Família de Annabelle está falida após a morte do pai e sem um dote, a garota (atualmente com 25 anos) está ficando solteirona e sem um bom partido para o casamento. A autora traz uma situação bastante perturbadora, porque Annabelle não tem uma terceira opção. Ou ela se casa com um bom partido ou seu destino será tornar-se amante de alguém que a mantenha e para a época, isso, obviamente, era um escândalo. Não que as pessoas fossem perfeitas, ao contrário, todas com muitos defeitos e muitos pecados, mas é sempre mais fácil falar da vida dos outros e fingir que não erra. 

Simon Hunt é um dos filhos de um açougueiro, mas não foi exercendo a profissão do pai que ele enriqueceu. Um homem inteligente e visionário para sua época se tornou um grande empresário, porém, apesar de todo dinheiro, Simon não tinha um título de nobreza e por esse motivo sabia que não era bem visto pela mesma sociedade que condenava Annabelle. Aos 33 anos era um homem forte, bonito, atraente e muito, muito inteligente, porém, estava longe de seus ideais se tornar um homem casado. Era considerado um plebeu por todos os nobres – mesmo que falidos – da sociedade inglesa. 

Durante um dos últimos bailes da temporada Annabelle conhece Lillian e Daisy Bowman (irmãs) e Evie. Cada uma com suas peculiaridades, mas que praticamente estão na mesma situação que Annabelle. Ambas conhecidas pelos intermináveis chás de cadeira que tomam durante os bailes, já que nenhuma das quatro recebe nenhum convite para dançar e que estão desesperadas para casar. As jovens traçam um plano onde juntas encontrarão um marido para Annabelle e na sequência para as outras três. O palco deste plano será em Hampshire, na mansão do Conde Westcliff (um homem difícil, porém bem interessante). 

Algumas pessoas possuem atitudes e caráter de nenhum valor. Pessoas maldosas e oportunistas. Dentre as pessoas repugnantes está o tal Sr. Hodgehan, que é um homem que se dizia amigo do pai de Annabelle e que transa com a mãe de Annabelle em troca de lhe dar algum dinheiro e obviamente, o canalha está de olho em Annabelle, por isso não perde uma oportunidade de importuná-la. 

Em resumo, a história nos mostra que naquela época era muito comum as pessoas se casarem apenas por interessem tanto homens quanto mulheres e que amor, respeito, dedicação e fidelidade era algo que não tinha valor. Todos fingiam ser felizes, mas no fundo, o que sempre comandou o mundo foi o dinheiro. Simon e Annabelle obviamente se apaixonaram, mas nenhum dos dois deu o braço a torcer, até que o casamento foi inevitável. Nunca haviam se declarado apaixonados um ao outro, mas o desejo entre eles certamente é evidente e incontestável. Todos, inclusive a família de Simon deduziram que Annabelle só se casou com ele visando o dinheiro. Inclusive o conde pensava o mesmo e não tinha a jovem em boa conta. Precisou acontecer um desastre para que todos enxergassem a verdade e só então ambos se declarassem apaixonados. 

O que eu mais gostei nessa história foi o aprendizado que todos os personagens adquiriram, mas principalmente Annabelle, porque ela foi criada sob a perspectiva de que felicidade estava relacionada a títulos e com muito custo, mas sem “mimimi” ela aprendeu que felicidade é muito mais do que tudo isso. Ela é uma moça forte, corajosa e destemida, apesar de toda inocência, mas aos poucos, nos braços de Simon, ela vai descobrindo os prazeres da vida, o amor e que o que realmente importa é estar com ele, ao lado dele, mesmo que não haja títulos. A sociedade, seja daquela época ou dessa, sempre foi e sempre continuará sendo muito hipócrita, pois todos julgam sempre a partir da aparência. É preciso realmente conhecer o interior de uma pessoa para amá-la ou não. O julgamento sempre virá de alguma forma, porque pé comum no ser humano se achar no direito de se apropriar da vida do outro.


SÉRIE - CROSSFIRE - TODO SEU - #05 - SYLVIA DAY


SÉRIE - CROSSFIRE - TODO SEU - LIVRO 05 - SYLVIA DAY


Gideon Cross. A coisa mais fácil que já fiz foi me apaixonar por ele. Aconteceu instantaneamente, de forma completa e irrevogável. Casar com ele foi um sonho realizado. Continuar casada com ele é a maior batalha da minha vida. O amor transforma, e o nosso é um refúgio e também a pior tempestade. Duas almas danificadas que se entrelaçaram.

Nossos votos foram apenas o começo. Lutar por esse casamento pode nos libertar... ou nos separar de vez.

Sedutor e comovente, Todo Seu é a última parte da saga Crossfire, uma história de amor que cativou milhões de leitores ao redor do mundo.


NOTA SOBRE O LIVRO:

Chegamos ao final da saga Crossfire com este último livro (onde as narrativas se intercalam entre os pontos de vista de Eva e Gideon). Algumas coisas não me agradaram muito, mas algumas outras consegui compreender um pouco melhor com esta releitura, mas algo que não mudou foi a paixão por Gideon Cross. Eva também leva meus trocados, pois apesar de algumas coisas que a tornam irritante, ela soube conquistar o leitor. Arriscaria dizer, (sem querer causar polêmica), que daria pelo menos mais um para complementar algumas coisas, mas talvez esse seja também só um desejo pela saudade que essa dupla deixa novamente.

Muitas vezes durante a trajetória do casal nós tomamos as dores de Gideon sempre achando que tudo que ele fazia era para o bem de Eva, mas avaliando friamente, nem sempre ele seguia o caminho mais correto. Ele estragava muitas coisas (como ele sempre disse que faria) na expectativa de estar agindo corretamente e manter Eva segurança. Não sei se ele tinha certeza que poderia acontecer algo sério ou se era mais uma preocupação pela exposição, ainda mais depois da morte de Nathan. 

A última separação ajudou Gideon a finalmente se abrir com o Dr. Petersen e com a própria Eva. O amor e a segurança que Eva transmitia a ele ajudou-o a confrontar sua mãe e externar o abuso que sofreu. Eva nunca fez questão de querer aproximar de Gideon do meio irmão, Christopher, mas ela foi fundamental na reaproximação dele com Ireland e com seu padrasto Chris. 

Gideon aprendeu que nem sempre seus métodos de proteção eram infalíveis e Eva aprendeu que suas reações nem sempre eram seguras e eficazes. Eles precisaram aprender a conversar para descobrir quais caminhos seguirem. Não são os fantasmas e os medos que afastavam Eva de Gideon, mas sim o seu silêncio e suas tentativas de proteção, pois ela se sentia excluída, muito embora ela conseguia ser irritante com tanta pressão.

Um atentado causou uma grande perda na vida de Eva e algo sobre o passado de Mônica foi revelado. Não me lembrava mais do que acontecia com ela, mas mais uma vez fiquei tocada por tudo que houve. Chama atenção o fato do abuso sexual estar sempre presente na vida do casal, então, quero acreditar que seja uma forma da autora fazer um alerta aos sinais que as pessoas emitem quando passam por tal situação e que os agressores muitas vezes surgem de onde menos se espera. 

Elizabeth Vidal se mostrou orgulhosa, soberba, arrogante e amarga, tanto que ela terminou sozinha. Ela se recusou a aceitar Eva, a reconhecer o abuso pelo qual o filho passou e continuou preferindo negar o que estava bem diante de seus olhos. Enquanto isso, o padrasto de Gideon se mostrou um homem de valor e que verdadeiramente nutria bons sentimentos pelo enteado. Ofereceu apoio e amor incondicional. Até mesmo o meio irmão deu um passo para se aproximar de Gideon.

Cary finalmente evoluiu e amadureceu. Ele não fazia parte da lisa dos meus personagens favoritos, tinha muitas ressalvas com relação ao seu comportamento e suas atitudes, mas de verdade, ele se mostrou outra pessoa depois das consequências de seus atos. Um personagem que sempre gostei desde sua aparição foi Arnoldo e sinceramente, acho que gostaria de um livro sobre ele e acho também que ele merecia encontrar sua "Eva". Victor Reyes (o pai de Eva) também merecia se refazer na vida, pois passou a vida toda amando a mãe de Eva sem que algum dia pudessem ficar juntos. 



As cenas de sexo continuaram existindo em diversos momentos da história, como não poderia deixar de ser, mas acho que de tanto ouvir reclamações dos leitores Gideon e Eva aprenderam que ele era o combustível da relação, mas não a solução de seus problemas pessoais.

Para mim valeu muito a pena reviver a história toda, sem interrupções e sem o sofrimento da primeira vez, quando ficávamos ansiosos pelos lançamentos. Se você me perguntar hoje se eu voltarei a ler tudo de novo, respondo que com certeza sim, em algum momento adiante em minha vida quero reviver tudo outra vez...

13 de julho de 2019

SÉRIE - CROSSFIRE - SOMENTE SUA - #04 - SYLVIA DAY


SÉRIE - CROSSFIRE - SOMENTE SUA - LIVRO 04 - SYLVIA DAY

Gideon me chama de anjo, mas ele é o milagre em minha vida. Meu lindo, guerreiro ferido, tão determinado a matar meus demônios enquanto se recusa a enfrentar os seus próprios.

Os votos que tinhamos trocado deveriam ter nos ligado de forma mais apertada do que sangue e carne. Em vez disso,abriu velhas feridas, expondo dor e inseguranças, e isso atraiu amargos inimigos para fora das sombras. sinto ele escorregar da minha mão, meus maiores medos se tornando a minha realidade, meu amor testado de maneiras que eu não tinha certeza de que era forte o suficiente para suportar.

Em um tempo brilhante em nossas vidas, a escuridão de seu passado invadiu e ameaçou tudo o que tinhamos trabalhado tão duramente para esquecer. Nós enfrentamos uma escolha terrível: a segurança familiar das vidas que tivemos antes de termos um ao outro ou a luta por um futuro que, de repente parecia um sonho impossível e sem esperança...


NOTA SOBRE O LIVRO:

*** esta nota contém spoiller ***

Neste quarto livro temos narrativas do ponto de vista de Gideon, assim como a de Eva, intercalados entre os capítulos. Na primeira vez que li o livro (em novembro de 2014), tive a impressão de que as narrativas contadas na versão de Gideon fizessem com que ele perdesse muito daquela sua personalidade magistral. Desta segunda vez a minha interpretação vai um pouco além.

Quando conhecemos Gideon pelos olhos de Eva, enxergamos o homem enigmático, indestrutível, dominador, visionário e inabalável, mas nos esquecemos que estamos falando de uma pessoa que passou por uma violência absurda, que foi negligenciado pela mãe e que o pai se suicidou. Como ser alguém seguro e inabalável diante de tantas possibilidades negativas? Não podemos nos esquecer da "máscara" que ele usava diante de uma sociedade hipócrita e interesseira. Quando Gideon conheceu Eva, suas barreiras foram destruídas e ele se entregou. Para ele havia uma batalha interna se formando a cada passo, pois ele estava habituado a um outro universo. Ao mesmo tempo que precisava se mostrar forte e indestrutível, ele estava desmoronando com tudo que acontecia em volta dele. Lidar com todas as pessoas que estavam dispostas a destruí-lo através de Eva. Ela era o ponto.

As vezes a gente acha que a outra pessoa tem obrigação de entender nosso ponto, mas não somos capazes de entender o dela, então, julgamos e reagimos. Eva sempre reagiu mal às aproximações de Corine, mas precisou sentir na pele para reconhecer o efeito que a aproximação de Brett causava em Gideon também. O único ponto positivo foi ela ter a prova, diante de seus olhos, que o único homem que a amava verdadeiramente e incondicionalmente era Gideon. A mim, esse músico nunca enganou e mesmo quando ela mencionava ele como "sexy" e "atraente", eu nunca consegui enxergá-lo. Na minha concepção ele nunca foi bonito, talvez por ser babaca e pretensioso demais.

Ver a interação de Gideon com seu advogado me fez sentir que a autora forçou um pouco para tentar aproximá-lo mais de uma pessoa comum e para mim não combinou muito bem. Se essa interação tivesse acontecido com o motorista Angus eu teria levado mais a sério, mas não com um personagem que nunca tinha aparecido antes. Gideon não é um homem de riso fácil, Gideon é um homem fechado, um homem que somente Eva tem acesso e esse sempre foi o seu charme, a sua marca registrada.

Muito se falou em traições, mas não é bem por ai. Não houve traições, não entre Eva e Gideon.

Outro personagem que me irrita profundamente é Cary. Apesar dele ser amigo de Eva, não suporto a presença dele e a mania que ele tem de criticar Gideon. Um sujeito fútil, vazio, mesquinho e aproveitador. Sim, pra mim ele se aproveita da mordomia em que Eva vive, se faz ser querido pelo padrasto e pela mãe e com isso a vida que segue. Nunca o vi defendendo Gideon de nada, ao contrário, sempre apontando as perturbações do outro (como se ele fosse exemplo de sanidade). Sem contar que ele é um puta de um sacana com o Trey. Desde que ele soube que a banda a qual Eva iria ver o show era a banda "nova" de Brett, ele simplesmente despencou no conceito e entrou para a lista dos indesejados.

Então, para encerrar, gostei mais desta vez que li do que da primeira, então, o livro ganhou mais duas estrelinhas.

Boa leitura a todos!
Até a próxima...