6 de junho de 2016

TRILOGIA - ENIGMA - LIVRO 01 - SEGREDOS & MENTIRAS - HALICE FRS


ENIGMA - SEGREDOS & MENTIRAS - LIVRO 01 - HALICE FRS

Primeiro livro da trilogia Enigma, Segredo & Mentiras narra a vida do padre Jonathan De Ciello a partir da indicação para assumir sua primeira paróquia em Sin Bay, uma vila litorânea do Maine. Mesmo com as lembranças de seu passado perdidas após um acidente automobilístico, perseguido por sonhos lascivos, nada condizentes com sua posição no clero, Jonathan acreditava ter uma vida tranquila ao seguir pelo caminho eclesiástico que seu padrinho, Carlo, o fazia trilhar. Contudo, o jovem padre vê a frágil paz construída durante os anos de seminário, ruir. Em seu primeiro dia em Sin Bay, conhece Faith Green, aquela que se tornaria a razão de sua tormenta. Seu interesse proibido pela moça inconsequente, de comportamento dúbio e espírito rebelde despertou nele sentimentos contraditórios que abalaram sua determinação, levando-o a questionar sua real identidade e vocação ao ansiar se render aos seus fetiches. Perdido, Jonathan não poderia ter fé ao desacreditar de sua história. Apaixonado, não poderia guiar a todos ao desejar uma única mulher. Nem reencontrar sua paz ao perceber que a vida conhecida era fruto de segredos e mentiras...


NOTA SOBRE O LIVRO:

Assumidamente sou suspeita para falar sobre este livro por duas razões: 
1) Sou muito fã da Halice FRS e da forma como ela escreve. Não estou dizendo que sou fã apenas pelo dom de escrever excelentes histórias, mas sim, por sua conduta e postura de escrever de forma madura, de vocabulário rico e capacidade de prender o leitor. Não consigo entender porque as grandes editoras ainda não se deram conta do primor que estão perdendo.
2) Sem sombra de dúvidas essa é uma das tantas histórias que ela já escreveu e que me deixou de ressaca. Tanto é verdade, que esta é a segunda vez que leio esta história e o efeito é, foi e será sempre o mesmo: RESSACA LITERÁRIA E ABSTINÊNCIA DE PADRE

A história de Jonathan será composta por três livros (ebook), pois o enredo e os acontecimentos dão essa abertura. Não é como se o autor esticasse a história simplesmente para compor uma trilogia e fazer o leitor sofrer com a espera da continuação, ao contrário, os pormenores da trama exigem essa divisão. São diversos acontecimentos na vida dos personagens que levam a esta necessidade. A Halice é uma autora muito centrada e muito consciente da necessidade de continuação ou não de suas obras e muito correta com seus leitores. A história é narrada em terceira pessoa (do jeito que eu adooooooooooooooooooooooooro) e você consegue ter uma visão muito nítida da personalidade e dos sentimentos de cada personagem. Aliás, cada vez mais tenho preferido esse tipo de narrativa, pois tem se tornado um pouco cansativo ler o ponto de vista da mulher e do homem para a mesma passagem. Desta forma o narrador consegue em um único capítulo expressar os sentimentos de todos os personagens envolvidos na cena.

Jonathan De Ciello é um jovem padre de apenas 26 anos, recentemente ordenado e está prestes a seguir para a cidade de Sin Bay, conhecida como "a Baía do Pecado", no Maine. Ele vive com seu padrinho, Carlo De Ciello, mas não se recorda de nada de sua vida, pois segundo informações de seu padrinho, Jonathan havia sobrevivido milagrosamente a um acidente de carro que havia vitimado seus pais e acarretado em sua perda de memória. Aliás, o padrinho é seu único parente vivo e tudo o que sabe sobre seu passado vem dos relatos deste tio. Além disso, o que Jonathan mais vê é o espanto das pessoas ao notarem quão jovem é o padre (como se os padres já tivessem nascido "velhos"). 

"Ter sua história contada por outra pessoa era uma droga. Há praticamente nove anos tinha de se contentar com o relato de Carlo. Agora Jonathan sentia a necessidade de ser, ele mesmo, capaz de se lembrar dos a assuntos importantes. E no momento o desejo de ser padre - coisa que não sentia ser - era o mais importante."


Finalmente, após longas horas de viagem, Jonathan e Carlo chegam na cidade de Sin Bay e para Jonathan, saber que a cidade é rodeada de praias foi um alívio e uma satisfação enormes, pois assim poderá manter seu hábito de praticar corridas diárias. É justamente em sua primeira corrida na praia que Jonathan conhece Faith, a filha caçula de Eliott Green, o pescador e líder comunitário de Sin Bay. Ela tem o hábito de percorrer as praias da cidade, preferencialmente a praia mais deserta e mais afastada, para poder nadar a vontade. Neste dia em específico Faith está na praia e sente-se ansiosa e expectante, mas não sabe qual o verdadeiro motivo, afinal de contas, nada naquela cidade acontece de diferente. Nada até que a presença de um estranho correndo pela praia chame sua atenção e mexa com seus pensamentos mais íntimos.






Eu particularmente sou apaixonada pelo padreco e, mais uma vez, meu Tudão é a inspiração para o personagem. Adoro seus conflitos, adoro aquele jeito perdido e assustado que Faith justifica como bipolaridade. Adoro sua voz cantada e suas palavras em italiano. Adoro quando ele fala o nome de Faith. É como se eu pudesse ouvir até o timbre da sua voz. Adoro sua tormenta e todos os seus atos mais arbitrários. 

É óbvio que ao se interessar por ela e ter seus desejos sexuais reprimidos completamente despertos, ele surtaria. Para Jonathan De Ciello  sua vocação para padre começa a gerar dúvidas e a relação de Jonathan com o padrinho começa a ficar estremecida. Carlo demonstra sua preocupação quanto ao que o sobrinho possa se lembrar e até mesmo estar sentindo. Todo mistério do passado de Jonathan está nas mãos de Carlo, que é o único conhecedor deste passado, então, resta a Jonathan descobrir se tudo o que ele fala ou faz é a verdade ou se ele realmente tem algo escondido. Algo que o atormenta é um sonho que sempre invade seu sono e que o perturba demasiadamente. O que tais sonhos querem dizer? 



Faith Green é uma garota de 20 anos completamente diferente das garotas da cidade de Sin Bay. Ela é a filha "preferida" de Eliott Green e com seu "jeitinho" sempre consegue tudo que quer dos pais e, principalmente, ludibriá-los. Faith sempre finge obedecer e acatar a tudo que os pais querem, mas a realidade é que ela sempre faz as coisas ao seu modo. Nesse ponto ela é totalmente diferente a irmã, Nicole, que sempre cordata, prefere sofrer com suas frustrações do que enfrentar os pais. Sua família e as pessoas da cidade sequer imaginam o que ela realmente faz na cidade de Well uma vez por semana. Apenas a amiga Helen, que é noiva de seu irmão mais velho, Mason, e, Tyller que sabem da verdade e lógico, não aprovam. Apesar do comportamento nada adequado para uma moça, Faith ainda é virgem porque não havia encontrado ninguém que merecesse estrear sua pureza. Não até surgir Jonathan para desestruturar completamente seus sentimentos e desejos. Faith não tem nada do que estamos habituados a ver nos romances, sua ingenuidade é totalmente dúbia e isso deixa Jonathan completamente transtornado. Ele vive um inferno particular, pois além de estar em dúvida quanto a sua vocação e a todo seu passado, ainda tem que conviver com o ciúmes que sente de Faith. Tudo isso só colabora para deixá-lo muito mais mau-humorado.

Tyller Mills, que é amigo de infância de Faith e por sua vez, completamente apaixonado pela garota, é um dos personagens mais presentes na vida de Faith. Aliás, diga-se de passagem, ele consegue ser verdadeiramente irritante com a paixão que ele tem por ela. Ela, por sua vez, consegue ser irritante também porque por mais que ela esteja sempre dispensando Tylher, a impressão que temos é que ela gosta de vê-lo se rastejando para ela pisar. Faith não corresponde aos sentimentos de Tyller, mas por outro lado, ela nunca cortou verdadeiramente suas investidas e isso, acaba alimentando as esperanças do garoto. Ele foi o primeiro a notar o clima entre Faith e Jonathan e sacar o interesse do padre. Tyller aparece em várias situações, mas a sua insistência é o que mais irrita nele, pois em todas as vezes que ele acabou se dando mal, ele não aprendeu a lição e acaba ainda correndo atrás de Faith e fazendo todas as suas vontades. Sua fissura por Faith é tão intensa que ele não abre a espaço para outra pessoa que gosta dele.

Depois que Faith se recupera do choque de saber que Jonathan é o novo padre, seu interesse apenas aumenta e ela começa a jogar seu charme para o pobre Jonathan, que está a ponto de explodir. Podemos dizer que Faith faz o tipo "ingênua perversa" quanto a suas investidas contra o padre. De tantos homens que ela poderia ter e escolher, é Jonathan o seu alvo, que a deseja ardentemente, que está se tornando um homem agressivo, possessivo e ciumento ao passo em que tem plena consciência de sua condição eclesiástica, por isso ele sabe que dentro dele há dois homens. Ela não é de todo mal, apesar de seus atos inconsequentes e impensados. Na minha concepção, ela é apenas uma garota inexperiente e com instinto de liberdade, independência e imaturidade. 


Carlo de Ciello é um homem estranho e muito misterioso. Ele trata o sobrinho com o maior zelo e preocupação, além de uma dedicação fora do comum. Foi ele quem cuidou de Jonathan desde que este havia perdido a memória. Também é padre e por ser o único parente vivo de Jonathan, estão sempre juntos. Ele não domina o inglês tão bem como Jonathan, por isso em diversos momentos se atrapalha em conversas, mas, o mais estranho é que Carlo não é um homem dado a socializações e, a única pessoa com quem ele conversa e mantém uma amizade é com Grace Campbell, a dona da lanchonete "Blue Moon" da cidade. Não há uma evidência concreta, pelo menos neste primeiro livro, que esteja acontecendo algum romance entre Grace e Carlo, mas a verdade é que esta "amizade" começa levantar suspeitas, inclusive de Jonathan. Fato é que assim que Carlo percebe o súbito interesse de Jonathan por Faith, este fica em estado de alerta e sempre alfinetando Jonathan, que por sua vez, a cada dia, sente-se mais e mais atraído por Faith. O incômodo de Carlo é visível, como se a todo custo quisesse manter o anonimato e não chamar atenção sob hipótese alguma.

Nicole está noiva de Joseph, mas ela não é apaixonada pelo rapaz. Ao contrário, ela só mantém aquela relação para "agradar" aos pais, principalmente o pai, Elliot, que diz que o rapaz é um excelente partido. Na concepção de Elliot, as filhas precisam fazer bons casamentos e ter filhos. Ele é um homem tradicional e das antigas, no entanto, quem sempre consegue amolecê-lo é Faith. O homem é muito respeitado na cidade e até mesmo pela família. Joseph é um rapaz pacato e de pouca expressão.


Bem, no "relacionamento" conturbado de Jonathan e Faith existem diversos pontos que não estou citando, pois, se eu fizer, revelarei praticamente quase toda história, mas, muitas coisas do comportamento e da personalidade de ambos influenciam nessa tormenta particular, pois, muitas coisas, entre eles, ficam nas entrelinhas e, isso apenas sobrecarrega ainda mais os conflitos pessoais e as próprias conclusões que ambos tiram.

"Era perturbador saber que a vaidade e a soberba eram sentimentos nocivos que ele não deveria alimentar, todos despertados pela moça."

A festa para arrecadação de fundos para a reforma da igreja é um ponto importante na trama, pois nela acontecem várias situações que marcam o comportamento de alguns personagens e a chegada de Peter.


Peter Shaw é aquele rapaz que Nicole, a irmã de Faith havia namorado (escondido da família) e que ainda é apaixonada por ele. Ele também é apaixonado por ela, mas ele acabou se afastando quando terminaram o namoro. Ao retornar para Sin Bay, sua condição financeira já havia melhorado e muito, tanto que ele já tinha comprado até o seu próprio barco. Tendo melhorado de vida, Elliot já o considerava um bom partido, mas, por ter a idade igual a de Faith, era para com essa filha que ele fazia planos.

Preste atenção em todas as cenas, em todos os personagens, mesmo aqueles em que você acha que não tem relevância, pois adiante, certamente tudo fará sentido. Da primeira vez que eu li este livro, me atentei demais apenas ao comportamento de Faith e Jonathan e acabei vacilando em alguns pontos, mas agora estou conseguindo manter esses pontos em alerta.

O ciúmes que Jonathan sente é tão intenso que ele se pega em vários momentos avaliando seus rivais a ponto de imaginar, em uma briga, quem sairia vencedor. Nesses momentos o lado obscuro do padre fala mais alto, ou melhor, não é o padre e sim o homem estranho que Jonathan não conhece. O homem que se sente rejeitado e não correspondido pelo desejo da única mulher que o tirou de sua retidão. 

"Como todas as desculpas que arranjava para si, o mantra que se repetiu na tarde passada já não surtia efeito. Atormentado pela fala dela, reconheceu que era, sim, de sua conta qualquer coisa referente a ela. Queria os sorrisos fáceis, os toques, a voz sem a nota de rancor. E, acima de tudo, queria ser tratado como antes, sem a indiferença polida. Resumindo, queria a moça de volta em sua vida."

O plano de Faith e Peter está dando certo, mas o problema nisso tudo é que Nicole Green está em frangalhos e odiando a irmã. Em um momento de desespero Nicole acaba se consolando na ajuda do padre e em confissão abre seu coração. Este por sua vez absorve aquela confissão como um modo de saber mais a respeito de Faith. Os obstáculos no caminho desses personagens são infindáveis, porém sempre rotativos e não tem como se cansar. Ao contrário, você lê sempre na expectativa de descobrir o que aquela situação provocará e o que está por vir.

Ao que podemos perceber, cada um carrega o peso de suas "escolhas" muito embora elas nem sejam escolhas pessoais e sim, imposições. 

SPOILER
.
.
.
.
.
.
.
.
.

"A situação era tanto surreal quanto tragicômica, levando Faith a reprimir um sorriso sardônico. Estava ao lado do homem que desejava desesperadamente ter sobre uma cama - ou qualquer outro lugar, pois não seria exigente - enquanto ele tentava catequizá-la. Sem que pudesse conter, sua irritação chegou ao limite tolerável.

Ao olhá-lo de esguelha e flagrar o olhar expectante, replicou seriamente:

- Estamos só nós dois aqui então vou ser franca. Não fui à sua igreja esses dias atrás de salvação para minha alma. E uma vez que o que procurava parece ser realmente impossível de conseguir, não tenho motivos para voltar. Aproveite que recordei quem é o senhor e o respeito que lhe devo para me deixar quieta no lugar ao qual pertenço."

Eu, particularmente adoro quando Faith tem esse comportamento ácido, pois em resposta Jonathan simplesmente fica ainda mais mau-humorado e mais absurdamente fascinante.

Quando Faith chama Jonathan à realidade, é como se ele estivesse sendo despertado de uma inércia particular. Ele está preso em seus sentimentos, em seus conflitos e não está se dando conta de que ele precisa mesmo se conhecer e se descobrir. Dito isso, parece que Faith abre uma nova porta para Jonathan juntar as peças de algum quebra-cabeça de seu passado. 

Da mesma forma como sempre amei a forma conflituosa de Jonathan, também comecei a amar o Jonathan ousado e decido a... hummmmmmmmmm bem, chegou sua hora de ler e saber qual dos dois Jonathan's você prefere.

Você encontra "Segredos e Mentiras" no site da Amazon. Agora, #partiu livro 02!

2 comentários:

Glauci Freitas disse...

Prefiro um Jonathan decidido! Rsrs

Glauci Freitas disse...

Prefiro um Jonathan decidido! Rsrs

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA PUBLICAÇÃO!