30 de março de 2016

FILME - PHILADELPHIA



PHILADELPHIA

Andrew Beckett (Tom Hanks) é um promissor advogado que trabalha para um tradicional escritório da Filadélfia. Após descobrirem que ele é portador do vírus da AIDS, Andrew é demitido da empresa. Ele contrata os serviços de Joe Miller (Denzel Washington), um advogado negro que é homofóbico. Durante o julgamento, este homem é forçado a encarar seus próprios medos e preconceitos.


NOTA SOBRE O FILME:


O ano de estreia era 1993 e o tema principal deste filme é o preconceito com relação a AIDS e ao homossexualismo. Nas entrelinhas do filme temos vários aspectos que podem ser chocantes, mas que se observarmos com atenção, o mesmo preconceito ainda acontece mesmo após 23 anos... digo, 23 anos em que o filme explodiu de sucesso...


Quando eu assisti pela primeira vez esse filme, no cinema, claro, não entendi muito bem o que a história nos passava, mas no último domingo essa história me chamou para uma parceria.

Denzel Maravilhoso Washington é Joe Miller, um advogado dos bons, negro, homofóbico, casado e sua esposa está prestes a dar a luz.

Tom Perfeito Hanks é Andrew Beckett, um advogado brilhante, branco, gay e está com AIDS. Trabalha em uma excelente companhia, mas os sócios e os colegas de trabalho não sabem - ainda - de sua doença e muito menos de sua opção sexual.

Tudo bem a tona quando Andrew acaba de ser promovido e a empresa descobre que ele está "doente". Imediatamente uma situação ocorre dentro da empresa, Andrew é despedido, mas acaba associando tudo ao fato de sua doença. É aí que ele decide entrar com uma ação na justiça contra a companhia onde trabalhava. Com dificuldade de encontrar um advogado que queira assumir sua causa, ele recorre a Joe Miller, que claro, reage mal quando Andrew revela que além de estar com AIDS ainda é gay.

Joe Miller precisou de um tempo, para si e para conhecer mais afundo quem era Andrew e é durante as audiências que Joe prova que é um excelente advogado. Um homem de brio, de caráter e de muito sentimento. A forma como ele defende seu cliente nos faz a todo instante parar para pensar em como somos nada diante de uma doença terminal.

Durante muitos anos parou-se de falar em AIDS, pois há muito tempo a maldição que aflige a vida das pessoas deixou de ser a AIDS, que foi severamente substituída pelo câncer. A única diferença que eu vejo entre essas duas doenças é que no caso da AIDS ainda existe o preconceito, o julgamento e a discriminação, quando na verdade nem é a promiscuidade que leva a pessoa a este fim.

O final é perfeito e muito triste também, não há como negar. E antes que eu me esqueça de contar, o companheiro de Andrew é Miguel Alvarez, interpretado por Antonio Charmoso Bandeiras...

EU RECOMENDO!

Para os assinantes do Netflix, falta só a pipoca e o guaraná! <3 

Boa diversão!


0 comentários:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA PUBLICAÇÃO!