18 de outubro de 2015

SÉRIE OS BRIDGERTONS - O VISCONDE QUE ME AMAVA - #02 - JULIA QUINN


O VISCONDE QUE ME AMAVA - SÉRIE OS BRIDGERTONS - LIVRO 02 - JULIA QUINN



A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.

Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.

Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. 

Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.


NOTA SOBRE O LIVRO:



"O visconde que me amava" é o segundo desta série de oito livros.

Para reforçar quem são os personagens, temos a árvore genealógica da família Bridgertons e a sequência dos seis livros já publicados são:

1) O duque e eu
2) O visconde que me amava
3) Um perfeito cavalheiro
4) Os segredos de Colin Bridgerton
5) Para sir Phillip com amor
6) O conde enfeitiçado


Então, em "O visconde que me amava" passamos brevemente pela união de Edmund Bridgerton e Violet Ledger e em como culminou a morte do nobre visconde. É difícil de deduzir nas aparições de Anthony Bridgerton no primeiro livro que ele teria alguma tormenta em sua vida, mas a realidade é que há. Anthony se sente o espelho do pai, com quem era muito próximo. Não só por ser o filho primogênito, mas também porque para os Bridgertons a família vinha em primeiro lugar sempre e o relacionamento de uns com os outros é sempre de muito amor e zelo.

Kate Sheffield (prestes a completar 21 anos) e Edwina Sheffield (17 anos) são meia-irmãs, sendo que Edwina é filha de Mary Sheffield e Katy é a enteada. O pai das meninas já é falecido, mas mesmo enquanto vivo, a família Sheffield não possuía uma boa situação financeira, tanto é verdade que Mary precisou de cinco anos de economias para poder se instalar em Londres durante a temporada de 1814 com o intuito de "encaminhar" as duas moças para algum casamento bem feito.

Naquela tarde as garotas estavam, como tantas outras pessoas da sociedade, devorando as informações nada discretas de Lady Whistledown a respeito do visconde Anthony Bridgerton. Aliás, a cada novo capítulo aumenta a minha curiosidade em saber quem é essa "autora" de notas tão peculiares. Diante de tantos rumores a respeito da libertinagem de Anthony e diante da expectativa de Edwina conquistar um pretendente, o alerta de Kate era de que ela deveria se manter afastada do visconde.

Enquanto isso, Anthony Bridgerton (28 anos) anunciava aos irmãos Benedict e Colin de que havia chegado a hora de se casar. Apesar da decisão tomada, Anthony não estava disposto a se casar com qualquer uma. Sua pretendente deveria ter pelo menos alguns requisitos básicos como certa beleza, já que ele precisaria se deitar com ela e também ser provida de inteligência, afinal, embora ele não pretendesse usufruir de tal predicado, ele sabia que a esposa seria responsável pela criação de seus filhos e não queria que os mesmos fossem considerados "estúpidos" então, a escolhida acabou sendo Edwina Sheffield. Ele também não fazia questão alguma de um dote, então, ela seria realmente a pessoa certa.
"- Ótimo - retrucou Anthony, apoiando o copo de uísque na mesa com um baque surdo. - Então vou me casar com ela."
Edwina é considerada um primor em beleza e inteligência e isso certamente faz com que sua presença atraía alguns tantos de pretendentes enquanto sua irmã Kate é considerada apenas a irmã mais velha da moça. Kate não é considerada o tipo de mulher perfeita para atrair a atenção masculina, mas ela é tida em alta conta pela irmã mais nova, que tem em mente se casar apenas com um homem que a irmã aprovar. Tendo em vista tais detalhes, como que Anthony fará para se aproximar de Edwina quando Kate certamente lhe será um empecilho?


O primeiro contato de Anthony e Kate é bem interessante, já que ambos são diretos e não negam uma boa alfinetada ao "oponente". Sim, Anthony enxerga Kate como sendo uma barreira a ser vencida para então poder se casar com Edwina e, para Kate, uma vez libertino, sempre libertino, então, ela está determinada a fazer de tudo para manter sua irmã afastada de Anthony e impedir que tal casamento aconteça. Não sei se precipitado dizer, mas a impressão que tive é que Mary Sheffield está mais inclinada em aproximar a enteada do lorde do que a própria filha.

Tem uma cena, que eu acho que foi a que ficou mais evidente o quanto Anthony Bridgerton pode ser mal humorado, ranzinza e rabugento. Foi a cena em que ele saiu para dar uma volta com Kate Sheffield depois da "mãozinha" que Lady Mary Sheffield deu. Neste momento já começou ficar evidente que "rolaria" uma "química" entre eles e que ela sim seria a mulher ideal para ele e não a doce Edwina Sheffield. E olha que eu ainda arrisco dizer que talvez de doce, Edwina não tenha muita coisa.


Para que as coisas fiquem mais claras, Anthony decidiu que havia chegado a hora de se casar, mas ele não havia se decidido deixar de lado seu lado libertino. Em sua concepção, ele teria uma esposa, filhos, mas não necessariamente precisaria abandonar suas amantes, uma vez que isso só aconteceria se ele se apaixonasse por sua esposa. Como ele sabia que não se apaixonaria por Edwina, ele poderia manter seus casos. O problema é que enquanto Edwina não causa nenhum frisson nele, Kate causa tudo. Desde raiva até um desejo que ele não sabe explicar e com ela acontece a mesma coisa, por isso estarem próximos é sempre um sinônimo de ânimos exaltados.

Outra coisa que observei desde o primeiro livro, é que Lady Violet Bridgerton só parece ser uma pessoa "desligada". Só parece. No final das contas ela é muito astuta e observadora. Ela já percebeu o interesse do filho nas senhoritas Sheffiled, porém ainda não conseguiu se dar conta de qual das duas levará o coração do filho. Anthony demonstra que seu interesse em Edwina se dá apenas pelos protocolos enquanto que por Kate todo o interesse emocional fala mais alto. A questão agora é por qual das duas ele vai decidir e mais, como vai ficar a relação das irmãs.

Outra coisa que fica evidente durante uma cena de um tal jogo da época é que tanto Anthony quanto Kate estão completamente atraídos um pelo outro, mas nenhum dos dois consegue admitir. Aliás, Anthony é o mais cego dos dois, mas a competição entre eles chega a ser engraçada, porque não medem esforços para se confrontarem. Eles são iguais em tudo: no temperamento difícil, na competitividade, nos gostos pelo campo e nas mínimas coisas. As pessoas a volta deles já estão percebendo a atração que os atrai, mas eles permanecem ignorantes, ou melhor, teimosos e com o humor completamente ácido.
"Ela tinha uma beleza diferente. Os lábios eram mais cheios, menos elegantes, mas infinitamente mais beijáveis. Os  cílios... Como ele não percebera antes como eram compridos? Quando ela piscava, pareciam descansar em suas bochechas como um tapete. E quando a pele se tingia de tons rosados do desejo, ela brilhava. Anthony sabia que estava imaginando coisas, mas quando olhava para o rosto de Kate, não podia deixar de pensar na aurora, o exato momento em que o sol aparecia no horizonte e coloria o céu com dua paleta em tons de pêssego e cor-de-rosa."
E em meio a tantas coisas, casar-se com Kate se tornou inevitável, porém, para Anthony o único empecilho seria o "amor". Sim, ele estava determinado a não amar a esposa devido a fatores de sua história, que ai sim, você vai ter que ler para saber porque eu não posso mesmo contar, no entanto, nem tudo saiu como ele planejou e novas implicações surgiram. Anthony ajudou Kate a superar um certo "trauma" de sua infância, que ela mesma ignorava a existência, porém, ele teria que ser muito honesto consigo mesmo e com Kate para admitir que juntos poderiam construir uma história verdadeira.

Delicie-se com essa história fantástica da Julia Quinn. Ainda não consigo afirmar qual dois dois livros gostei mais, mas o que eu posso dizer é que a autora está arrasando com o desenrolar das tramas, mas principalmente com a composição de seus personagens, que nôs fazem quase que sentir o que eles sentem!!


ONDE COMPRAR O LIVRO:



Kit contendo os cinco primeiros livros:

Submarino
Americanas
Saraiva


obs: a Saraiva não está vendendo os kits, apenas os livros avulsos.
LIVRO 02 - AVULSO

Saraiva
Submarino
Americanas










0 comentários:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA PUBLICAÇÃO!