21 de julho de 2015

LIVRO - MINHA ÚLTIMA DUQUESA - DAISY GOODWIN

MINHA ÚLTIMA DUQUESA - DAISY GOODWIN

"Beleza, fortuna, admiradores e a arrogância ingênua de acreditar que o dinheiro lhe abriria todas as portas era do que uma jovem precisava para ser feliz nos Estados Unidos no final do século 19. Cora Cash tinha tudo isso. Mesmo assim, lhe faltava o que alguns consideravam o mais importante: um título de nobreza. Por isso, para conseguir um casamento que lhe garantisse um status social inabalável, ela partiu para a Inglaterra aos 18 anos. A primeira impressão do novo país não foi nada boa - a aristocracia era fria e hostil, dominada por intrigas e fofocas. Mas a situação ficou ainda pior quando Cora se apaixonou por um homem que mal conhecia... e entrou em um jogo com regras desconhecidas e que tinha como único prêmio a própria felicidade."


NOTA SOBRE O LIVRO:

Cora Cash era uma jovem de 18 anos pertencente a uma família americana muito rica, mas o problema era que ela não tinha um título de nobreza, então, a única preocupação de sua mãe era conseguir-lhe um casamento digno de um título. Apesar de saber que era linda e muito desejada, Cora não queria se casar apenas por imposição de sua mãe. Aliás, Cora tinha um temperamento bem forte que beirava a arrogância, mas apenas beirava, porque no fundo, Cora não passava de uma garota ingênua influenciada pelo dinheiro e pela beleza. Com o intuito de fazer um bom casamento, a família Cash partiu para a Inglaterra em um Iate a vapor particular. Na viagem Cora levou seus cavalos, seus cães e sua empregada Bertha. Os primeiros contatos foram bem difíceis, já que os costumes e o comportamento dos ingleses eram bem diferentes do que mãe e filha imaginavam. Eles eram frios (como reza a lenda sobre os ingleses) e hostis.

A Sra Cash, mãe de Cora, era o tipo de mulher que queria que as coisas acontecessem sempre conforme o seu comando (como uma boa filha de Coronel) e mesmo após o incidente ocorrido no último baile da temporada ofertado pelos Cash, ela não deixou de ser autoritária e caprichosa. Ela queria a todo custo ver a filha muito bem casada e detentora de um bom título. Em uma tarde de caçada, Cora acabou sendo atraída por um barulho "estranho" no bosque e acabou sofrendo um acidente que a derrubou de seu cavalo, entretanto, logo em seguida ela acabou sendo salva por Ivo Maltraves, o Duque Warehan, sendo instalada em sua casa, em Lulworht, até a pronta recuperação. A mãe de Cora, por óbvio, viu ali a grande chance de casar sua filha com o Duque. Durante o almoço da Sr. Cash com o Duque, o padre Oliver que estava junto, acabou citando o período que foi destacado na Série The Tudors, quando Crownwell promoveu uma verdadeira caçada aos religiosos. Em vários momentos da narrativa, que se dá em terceira pessoa, nota-se a inclusão de momentos históricos reais.

"A sra. Cash ficou na dúvida se deveria fazer uma reverência, mas chegou à conclusão que era desnecessário. Ela havia esperado um daqueles ingleses leitosos, cuja magreza juvenil seria quase uma censura a uma corpulência futura, mas o Duque era mais moreno do que qualquer inglês teria o direito de ser, seus cabelos eram negros e seus olhos, ligeiramente velados, eram castanho-dourado. A mulher não conseguia imaginar sua idade. Sabia que ele não poderia ter mais de trinta anos, mas não havia nada de juvenil na gravidade com que tomou sua mão."

Ivo herdou o título de Duque de Waheran após a morte do pai e de seu irmão mais velho, porém, sua condição financeira não era das melhores, já que havia gastado horrores com os enterros. Que ironia do destino... ter um título e não ter dinheiro e ter dinheiro e não ter um título! A história apresenta a junção do Novo Mundo (América) com o Velho Mundo (Inglaterra) e as diferenças entre estes dois "mundos" era algo que espantava tanto mãe quanto filha, pois elas esperavam muito mais sofisticação nos costumes, no comportamento e nos trajes dos ingleses, mais especificamente das mulheres. A impressão que tive desta leitura é que a história tenta passar mais uma mensagem sócio-econômica do que uma provável história de amor, porque em muitos momentos é o dinheiro que acaba sendo destacado, inclusive Cora e sua mãe frisavam "o dinheiro" que possuíam, demonstrando ostentação. Até os empregados de Lulworht suspeitavam de que ela poderia ser a nova Duquesa e mais, a salvadora das questões financeiras daquela casa.

"- Você devia cuidar do que diz, Thomas... ela pode vir a ser a nova Duquesa! Sua Graça vai levá-la para uma volta pela casa amanhã. Você acha que ele vai mostrar para ela os buracos no telhado?"

E realmente... aconteceu o pedido de casamento e a aceitação de Cora. A impressão que temos de início é que o Duque acabou pedindo Cora em casamento apenas por interesses financeiros, mas ao longo da história algumas coisas foram sendo reveladas e acabei perdendo esta sensação de "golpe do baú".

Enquanto isso, nas vésperas do casamento, Teddy retornou para a América assim que soube que Cora havia regressado para o casamento. Teddy era o rapaz com quem Cora desejou se casar inicialmente para se livrar da mãe, mas na ocasião ele a rejeitou em função de seus planos de ir para Paris estudar pintura. Seu retorno foi pura e exclusivamente por conta do casamento de Cora, tanto que ele chegou a questioná-la se ela estava feliz e se aquela decisão do casamento partira dela ou se seria apenas uma imposição. Teddy acabou viajando no mesmo navio que o Duque a caminho da América e presenciou algo sobre o Duque, que me gerou uma pequena desconfiança, mas somente ao longo da história descobrimos o que aconteceu naquele dia.

Consideração: Em vários momentos percebi várias falhas de revisão de texto, frases estranhas porque faltava algumas palavras para complementar o sentido do que estava sendo dito, entretanto embora isso não tenha atrapalhado a compreensão da história, há um grande incomodo da minha parte sim.

O casamento finalmente aconteceu e Cora havia retornado para a Inglaterra juntamente com o Duque, a sogra, que era conhecida como A Dupla Duquesa e seus pares. Passada a lua-de-mel, Cora agora era obrigada a conviver com a aristocracia e todos os protocolos pertinentes ao seu título, no entanto, algo a estava incomodando, que era tanto os olhares de Charlotte Beauchamp quanto a proximidade desta com o Duque. Charlotte passa a impressão de não ser uma pessoa muito confiável, mas acaba se aproximando demasiadamente de Cora e causando grandes desavenças.

Esta não é uma história que fala exclusivamente sobre o amor dos personagens e nem de nenhum tipo de paixão arrebatadora, mas sim, de grandes intrigas, jogos de interesses, conspirações e inveja. Na minha concepção foi um livro cansativo e muito longo. Uma boa história si, creio que muitas pessoas gostarão do enredo, mas para mim não funcionou como eu esperava. Tive uma grande expectativa d a história, mas como eu disse, para mim serviu mais como um relato histórico do que como um romance romântico. Não posso contar qual era a jogada de Charlotte porque senão vou acabar revelando praticamente o "x" da questão da história, mas a única coisa que eu posso adiantar é que ela era uma verdadeira cobra!


ONDE COMPRAR O LIVRO:

Clique na Saraiva
Clique no Submarino
Clique na Americanas


Obs: Não se assuste, pois esse é um dos livros mais caros mesmo que eu já comprei. Pela cotação de preço, hoje, dia 21/07/2015, o preço mais em conta foi no site da Americanas.


0 comentários:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA PUBLICAÇÃO!