17 de dezembro de 2014

DUOLOGIA FARDADOS - QUANDO VOCÊ VOLTAR - #01 - F.P. ROZANTE


DUOLOGIA FARDADOS - QUANDO VOCÊ VOLTAR - LIVRO 01 - F.P. ROZANTE

Separados pela guerra. O medo da perda, a ausência e a saudade se tornam suas companheiras. Cartas amenizam a dor enquanto garantem que tudo está bem. E quando elas deixarem de chegar? Caroline está sozinha no mundo, após a perda de seu pai e o abandono de sua mãe, a única família que restou foi seu amado amigo Nick, que escolheu o exército como profissão. Sua salvação é sua amiga Adriana, que com muito humor e carinho, sempre se preocupa em não deixa-lá cair. Nick jurou proteger e cuidar de Caroline quando ela perdeu tudo, ainda no ensino médio. Sua amizade e cartas são o que o mantém vivo em meio ao desespero da guerra. Mas quando sua vida é colocada em cheque em meio a uma emboscada, da qual ele saiu vivo apenas porque o Comandante Heitor colocou sua vida em risco, ele descobre que a amizade na verdade é amor e assim quando se recupera e tira uma licença, ele volta para obter sua pequena, pelo menos enquanto ele puder. Poderá Nick e Caroline superarem seus demônios, seus medos e se entregarem ao verdadeiro amor? Adriana é melhor amiga de Carol, após uma desilusão ao pegar seu ex a traindo, ela jurou nunca mais se entregar a um homem novamente. Mas o que ela não contava era com o inesperado. Heitor não quer mais saber de guerra, não quer mais saber de mortes, dor, sua única vontade é recomeçar. Então quando seu amigo Nick o convida para voltar com ele, ele junta todas as suas forças e pede sua baixa. Agora tudo que ele quer é paz e muita diversão. O que Heitor não imaginava era ver seu mundo completamente abalado, por uma Japa desaforada. Poderá Heitor quebrar as barreiras de Adriana? Poderá Adriana aceitar Heitor com toda sua bagagem?


NOTA SOBRE O LIVRO

Não me recordo onde nem quando me deparei com uma sinopse envolvendo quatro pessoas com personalidades totalmente distintas, cada personagem com traumas, medos, conflitos internos e uma necessidade imensa de paz interior.

Caroline é a menina doce, meiga e ingênua que carrega o peso do abandono da mãe, o falecimento do pai e a partida do amigo, Nick que seguiu para o exército como profissão. Por Nick ela cultiva um amor sincero e sonhador. Sim, ela sonha com seu regresso e aguarda ansiosamente notícias de seu bem-estar e principalmente, informações sobre quando ele irá voltar. Nick entrou para o Exército e teve que partir em sua missão de lutar na guerra. Tudo que resta para Caroline é o apoio e a presença da amiga Adriana, que por sua vez também enfrenta suas lutas, suas guerras, mas que por sua vez, não deixa que nada abale profundamente suas estruturas. Depois de descobrir a traição do namorado, adotou a postura do “pego, mas não me apego”. Toda despojada e despachada está sempre presente para segurar as barras da amiga. 

Enquanto isso, do outro lado da história, temos dois homens que carregam nas costas o peso de tudo que enfrentaram na guerra, da perda de companheiros e dos traumas que essa situação gerou em suas vidas. Nick encontra apoio em seu Comandante Heitor e ambos regressam para uma temporada em busca de paz. O Comandante está decidido a não mais voltar para aquele inferno, mas Nick ainda carrega consigo o peso de que se sente na obrigação de voltar e concluir com sua missão. É nesse retorno que as coisas começam a esquentar, porque todos estão com medo de se envolverem devido às experiências anteriores que lhes deixaram marcas de alguma forma, mas nenhum deles consegue se manter muito tempo afastado um do outro. 

Nick ama Caroline com doçura, mas o peso que trouxe em sua bagagem faz com que ele tente de alguma forma se manter distante, pensando que assim vai evitar o sofrimento da sua garota e é nesse momento que Carol, com seu jeito meigo e assustado não abre mão do seu amor e resolve ir atrás dele, de lutar por ele de alguma forma. A Carol é como uma gangorra: Em determinadas situações ela se vê sem saída e em outras busca forças para se erguer. Sem maldade e sem armações ela se cobra uma forma de fazer com que seu amor desista de voltar para a guerra. Ela teme perder o único bem que lhe resta, mas não um bem no sentido de posse, um bem precioso, um bem maior, o seu chão, o seu porto seguro. A sua felicidade. A paixão e o carinho dos dois chega a doer no peito da gente. A dor que ela sente de não conseguir convencê-lo a não voltar para a guerra faz seus sentimentos e seus medos guerrearem em seu peito sem nada poder fazer. Carol quer que ele fique por amor a ela e não por obrigação. 

E onde entram Adriana e o Comandante Heitor? 

Pois bem, eles entram super bem... O desejo entre eles é instantâneo. Nenhum dos dois está interessado em um relacionamento, mas alguém aqui acredita que eles vão conseguir seguir aquilo que pregam? Heitor é o típico homem marrento, dominador e possessivo. O que é meu é meu e ponto final. Adriana não leva desaforo pra casa, não baixa a crista e vira a cabeça do Comandante de pernas para o ar. As cenas de amor entre eles são sempre quentes e excitantes. Não dá pra não dizer que o cara não sabe o que faz, porque ele sabe e sabe muuuuuuuuuuuuuuuito bem. É o cara gostosão que mesmo sendo dono da situação não faz tanto jogo duro com a mulher que ele deseja e vai à luta. Oras, até parece uma piadinha infame, mas lutar é o que esse cara mais sabe. 

Esses dois casais se complementam perfeitamente. Enquanto Carol e Nick vivem na montanha russa da ternura e do desejo ao passo que lutam para que o outro esteja sempre protegido, Adriana e Heitor lutam para manter o amor e o desejo sem que um tenha que abaixar a cabeça para o outro. Acho que o caminho é esse mesmo, sem essa de fugir ou se esconder, de camuflagem... Já que o lance é guerra, então tem que se esforçar para o amor vencer sempre. Fugir não resolve a situação em nenhum caso... Se o casal se ama tem que lutar juntos. Ficar separados só piora a situação. Um sofre de um lado enquanto o outro sofre do outro para depois alguém ter que dar o braço a torcer? Pra que? 

A Bia mostrou muito bem para esses dois fardados a força da mulher, a força do amor e o quanto elas são essenciais na vida desses dois heróis. 

Comecei a escrever esta nota quando o livro ainda estava sendo desenrolada pelo wattpad, então, ela se tornou um xodó pra mim. Inclusive, quero deixar claro que esta história não tem o objetivo de seguir patentes, graduações, hierarquias e regras militares. Vi muita gente questionando fatos e citações como se a história fosse um relato de quartel. Ao contrário, o tema é livre e meramente artístico que fala sobre medo, amizade, amor, perdas e superação. O cenário é meramente ilustrativo. Além do mais, eles fazem breves relatos sobre suas vidas "na guerra", mas o cenário é todo externo.

Não tem como não se emocionar com a cena da despedida entre a Carol e do Nick. É algo tão verdadeiro entre eles, que chega doer na gente!  Quanto ao Comandante... Bem, dediquei meus suspiros a ele do começo ao fim, com todo respeito à Dri, mas o homem é uma perdição maravilhosa. Nossa heroína sortuda que não deixa por menos já sabe que por trás de toda essa pose de “aqui quem manda sou eu” existe um homem doce, gentil e apaixonado. Acontece que as fortes emoções não param por aí. A autora teve a imensa sensibilidade de mostrar através desta história que sem amor e sem amizade, não há superação concreta. Não há felicidade verdadeira. Muitas vezes temos que ir até o fundo do poço sim para que simplesmente o recomeço seja triunfante. E para fechar esta história enchendo nossos olhos daquilo que transborda de nossos corações, a definição de felicidade que a autora apresenta é simplesmente magnífica. Você certamente vai se apaixonar e se emocionar. Os últimos capítulos foram sem sombra de dúvida um carrossel de emoções e felicidade!



Ahhhhhhhh, já ia me esquecendo de dizer que estou imensamente feliz pela homenagem do final do livro e que este novo projeto enche meu coração de alegrias e satisfações. Só tenho mesmo que agradecer a Deus pela oportunidade de ter colocado em minha vida pessoas tão especiais, tão importantes e essenciais. Não me digam que sou suspeita para falar desta menina em especial, que é a Bia, porque tudo o que digo vem do fundo do meu coração! 

Ficou curiosa para saber mais sobre esta história bem fofa? Então adquira o seu ebook agora mesmo, pois ele foi lançado exatamente hoje, dia 17/12/2014. Clique aqui e faça parte desta família.

3 comentários:

BiaRoz disse...

Fer... Obrigadaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa. Estou invadida por tantas emoções que não consigo nem ao menos descrever.
Felicidade é pouco para o que sinto. QVV é muito especial pra mim, e saber que você a sentiu, a viveu na mesma proporção que eu, torna tudo maravilhoso.

BiaRoz disse...

Nunca me canso de ler essa nota... <3 Obrigadaaaaaaaaaaaaa.

Teandra S. disse...

Oii... Amei essa história.. <3 <3 <3
Ela é linda e apaixonante... Uma história com personagens que se encaixam perfeitamente!!! Uma história de amor que deixa nosso coração quentiiinho. Com momentos intensos, que deram profundidade e realidade... E um final lindo e feliz!!!! Bom, com uma autora dessas também né?!! ;) Bia, amo suas histórias... mais do que feliz por ter tido a oportunidade de encontrar essa, e todas as outras que estão e farão, com certeza, muuito sucesso por aí!!! Aguardando, ansiosamente, a venda de toda a série em ebook!! ;D
Parabéns!!!!! E a parceria de vcs duas é outra grande e deliciosa, para nós leitores, surpresa que deu muitíííssimo certo!!! ;)
Que venham muitas e muitas outras histórias!!!!! <3
Beijo

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA PUBLICAÇÃO!